terça-feira, 7 de julho de 2009

DEVANEANDO...

Às vezes entro em crise comigo mesmo. Não sei se estou sendo firme o bastante ou medroso o suficiente para celebrar a minha condição de humano, limitado e assustado com a vida, tanto quanto qualquer um. Acho angustiante ser certinho o tempo todo, controlando o que me habita, que nem chega perto disso. É ruim desempenhar papéis que não são meus, que não me cabem, a não ser que eu subjugue totalmente o que gostaria de fazer.

Dá vontade de puxar a corda do bonde, fazendo suas rodas soltarem faíscas na frenagem repentina. Enquanto todos no vagão se reequilibravam zonzos, em suas primeiras cenas de retorno me veriam descer da composição, ladeira abaixo – ou acima – em direção aos meus sonhos, enfartados por uma porção de coisas que não pedi para que me responsabilizassem.

Vejo o tempo escapando por entre os meus dedos e isso me abate a alma. Ergo-me da cama assustado: ‘meu Deus, mais um dia se passou, colocando-me a menos um do meu fim. Quem irá cuidar da minha poesia? Quem vai cantar minhas canções quando eu me for? Quem vai traduzir corretamente tudo o que significou esse saco de ossos, nervos e veias que atendia pelo meu nome quando chamado?’

Uma faísca de esperança nasce teimosa, lá no último cômodo da minha alma. Um vento qualquer e travesso pode apagá-la, tão frágil e delicada é sua chama. Não me provoquem! Posso apertá-la entre os dedos, sentindo a dor derradeira de sua queimadura quase insignificante. Depois, ergo-me e vou por aí... Procurando alguma poesia, escondida num canto qualquer e esperando por alguém tão desatento quanto eu, que nela esbarre sem querer...

5 comentários:

Regina Barbosa disse...

Querido Pastor

Amado de nossas almas,
refrigério e consolo nas horas dificeis
voe, cante e encante no céu
vc sempre foi mais um pedacinho do céu, do que aqui da terra,
nesse dia que achamos que perdemos o senhor,
encontramos a certeza de que o Senhor ta' com o PAI

Adeus... Amado Pastor
até um dia na Jerusalem Celestial

Regina Barbosa(Irmãa do Pastor Paulinho)

Rodrigo disse...

Maranata

Maranata,

Ora vem Senhor pra bem perto de mim
E que o tempo nos conserve sempre assim

Num vínculo de doce comunhão

Maranata,
Não apenas pra curar minha doença
Pois preciso celebrar Tua presença
Que é tão doce e tão vital pra o coração

Deus, tantas vezes eu me sinto em um deserto
Nessas horas é tão bom Te ter por perto
Consciente sou que sempre estás comigo

Deus, quero sentir mais da Tua plenitude
Discernindo nessa tão doce quietude
O prazer de Ter como meu amigo

Allison Silva

Cante para sempre na Jerusalém celestial...como poeta, vivo em nossas almas!

Elenira disse...

"O pardal encontrou casa e a andorinha ninho para si e você Pr. Allison encontrou os altares do Senhor".

Bá Reis disse...

Ohhh meu amigo...
Sei bem onde você está agora...imagino suas gostosas gargalhadas de quem não acredita onde foi parar.
Querido, você vive sempre em nossos corações.

Com amor,

Só pensando um pouco disse...

Saudade, meu amigo.